R$998,00 é o novo salário mínimo definido por Bolsonaro

O salário mínimo foi reajustado e valerá R$ 998,00 a partir de janeiro de 2019. O valor é R$ 8,00 a menos do que o aprovado pelo congresso para o Orçamento deste ano.

Assinado no primeiro dia de governo, o decreto é o último da atual política de reajuste do mínimo, que soma o crescimento do PIB, o Produto Interno Bruto, de dois anos atrás, mais a inflação dos últimos 12 meses para dar o aumento. O governo Bolsonaro terá que estabelecer uma nova política já que a lei atual estabelece o cálculo somente até este ano.

O reajuste do mínimo em 2019 foi de cerca de 4%, R$ 44,00 a mais que o valor antigo, que era de R$ 954,00.

O decreto, assinado também pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, traz a referência do valor diário do salário mínimo, que fica em R$ 33,27, e o valor da hora, que é de R$ 4,54.

Segundo cálculos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo teria que ser de R$ 3.900,00 para atender todas as necessidades de uma família com quatro pessoas, como alimentação, educação, higiene, lazer e saúde.

Fonte: EBC

Recomendado para você:

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano

ela primeira vez, o valor do salário mínimo ultrapassará R$ 1 mil. O governo propôs salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano, o que representa alta de 5% em relação ao atual (R$ 954). O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, apresentado hoje (12) pelos ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Fazenda, Eduardo Guardia.

Em 2019, a fórmula atual de reajuste será aplicada pela última vez. Pela regra, o mínimo deve ser corrigido pela inflação do ano anterior medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) de dois anos anteriores.

Em 2017, o PIB cresceu 1%. Para a estimativa de inflação, o governo considerou a previsão de 4% para o índice de inflação que consta do Boletim Focus, pesquisa com mais de 100 instituições financeiras divulgada toda semana pelo Banco Central.

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. Caso o Congresso não consiga aprovar a LDO até o fim do semestre, o projeto passa a trancar a pauta.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC

Recomendado para você: