Empregada ganha direito a redução de jornada para cuidar da filha

Uma técnica de enfermagem do Hospital Conceição, de Porto Alegre, ganhou o direito a ter reduzida sua jornada de trabalho em 50% para que consiga supervisionar e acompanhar sua filha autista, de 14 anos, aos atendimentos de que necessita em virtude do transtorno. Com isso, a empregada deve ter o número de plantões reduzidos pela metade no Hospital, sendo que as jornadas devem ocorrer no período noturno e coincidir, preferencialmente, com finais de semana e feriados, como solicitado em juízo pela trabalhadora. A instituição hospitalar, no entanto, pode reduzir proporcionalmente a remuneração da empregada.

A decisão é da 1ª Seção de Dissídios Individuais do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), em julgamento definitivo de mandado de segurança impetrado pela empregada diante de decisão que indeferiu o pleito, proferida pelo juízo da 3ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. Já havia sido concedida liminar determinando a alteração da carga horária da empregada, mas com a decisão colegiada da SDI-1, o julgamento tornou-se definitivo no âmbito do TRT-RS. Cabe recurso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Segundo informações do processo, a técnica em enfermagem foi contratada pelo Hospital Conceição em maio de 2000. Atualmente, sua filha apresenta, além de autismo, transtorno obsessivo compulsivo (TOC) o que resulta em várias dificuldades de interação social e na necessidade do comparecimento a diversos atendimentos com o objetivo de melhorar a saúde, a educação e a qualidade de vida da adolescente. Por isso, solicitou a redução da carga horária pela metade, e que seus turnos de trabalho ocorressem à noite e preferencialmente nos finais de semanas e feriados, para que conseguisse conciliar os períodos de trabalho com os cuidados à menor. A empregada também pleiteou, com base na Lei 8.112, a redução de jornada sem a redução respectiva da remuneração.

Enfoque em Direitos Humanos

Ao relatar o caso na SDI-1 do TRT-RS, o desembargador Marcelo Ferlin D’Ambroso considerou comprovada a necessidade da redução na jornada de trabalho da empregada, com base em laudos emitidos por um médico psiquiatra e por uma pedagoga da escola frequentada pela filha.

Conforme o parecer do médico, a presença do transtorno obsessivo compulsivo agrava ainda mais os sintomas relacionados ao autismo. Segundo o profissional, a adolescente precisa de supervisão constante e não consegue desempenhar com autonomia nem atividades consideradas básicas em outras circunstâncias. Já de acordo com a pedagoga, a menina apresenta dificuldades para permanecer na sala de aula e resistência a atividades propostas pelos profissionais de ensino, muitas vezes reagindo de forma hostil, com comportamento tipicamente associado aos transtornos. “Desta forma, resta absolutamente demonstrado que a filha da impetrante não possui condições de exercer atividades mínimas com independência e, ainda, não consegue se adaptar à escola, do que se concluiu que a mãe, ora impetrante, é absolutamente indispensável para o cuidado com a filha, certamente necessitando dispensar dedicação quase que exclusiva”, avaliou o relator.

Ainda na visão de D’Ambroso, o caso deve ser encarado pelo enfoque dos Direitos Humanos. Nesse sentido, o desembargador fez referência à recente promulgada Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência (13.146/2015), que estabelece, no seu artigo 5º, que a pessoa com deficiência estará protegida de todas as formas de negligência, tratamentos desumanos ou degradantes, dentre outras violações. A LBI também define que devem ser considerados especialmente vulneráveis para os fins da proteção as crianças, os adolescentes, as mulheres e os idosos com deficiência. O diploma legal atribui ao Estado, à sociedade e à família, o dever de efetivar com prioridade à pessoa com deficiência direitos como saúde, educação, habilitação e reabilitação, dentre outros advindos da Constituição Federal, da Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e de outras normas nacionais e internacionais.

Por fim, o relator destacou que o Hospital Conceição possui cerca de nove mil empregados, e que o remanejamento das jornadas de trabalho da técnica de enfermagem não traria prejuízo ao empregador. O entendimento sobre a redução da carga horária ocorreu por unanimidade na SDI-1, mas a questão da redução salarial proporcional provocou divergências, sendo que, por maioria de votos, ficou estabelecido que o Hospital poderá reduzir a remuneração da empregada na mesma medida da redução de jornada.

Processos similares

A decisão da SDI-1 é similar a outros processos já julgados pela Seção anteriormente. Em dezembro de 2017, também no âmbito de mandado de segurança, os desembargadores decidiram que uma auxiliar de enfermagem do mesmo Hospital Conceição pudesse trocar de turno para acompanhar seu filho com Síndrome de Down nos atendimentos de que necessita. Da mesma forma, em abril de 2016, uma auxiliar de higienização da instituição hospitalar também foi atendida no pedido de redução de jornada para supervisionar seu filho com autismo.

Fonte: TRT 4

Recomendado para você:

Abono Salarial ano-base 2016 começa a ser pago; confira o calendário

Teve início nesta quinta-feira (27) o pagamento do Abono Salarial ano-base 2016. Nesta primeira etapa estão contemplados os trabalhadores nascidos no mês de julho, quando o pagamento é realizado pela Caixa Econômica Federal. Já os trabalhadores que recebem pelo Banco do Brasil, o pagamento contempla os cadastrados no Pasep com o final ‘zero’ no número de inscrição. Correntistas da Caixa receberam o crédito em conta corrente nesta quarta (25), enquanto correntistas do Banco do Brasil terão creditados os valores nesta sexta (27). As regras para pagamento seguem as determinações da Lei 13.134/2015.

Nesta etapa, está previsto o pagamento a mais de 2 milhões de trabalhadores, que totalizam R$ 1,4 bilhão. Para o exercício 2017/2018 serão destinados R$ 16,9 bilhões para pagamento do Abono Salarial a 24 milhões de trabalhadores. O recurso ficará à disposição do trabalhador até 29 de junho de 2018, prazo final para o recebimento.

Calendário para inscritos no PIS

Calendário para inscritos no PASEP

Direito – Tem direito ao abono salarial ano-base 2016 quem estava inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos e teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

A quantia que cada trabalhador recebe varia de R$ 79 a R$ 937, dependendo do tempo em que ele trabalhou formalmente em 2016.

Abono Salarial ano-base 2015 – Também a partir desta quinta (27) se dará a reabertura no prazo para saque do abono salarial, ano-base 2015. Os trabalhadores que não sacaram o benefício dentro do calendário estipulado poderão fazê-lo até o dia 28 de dezembro de 2017.

Este é o segundo ano consecutivo em que ocorre prorrogação – no ano passado, essa mesma medida foi tomada. Mais de 1,5 milhão de trabalhadores não realizaram o resgate do benefício, o que corresponde a 6,49% do total de pessoas com direito ao recurso. O valor ainda disponível chega a pouco mais de R$ 1 bilhão.

Para saber se tem direito a receber do benefício, ano-base 2015, basta o trabalhador acessar o portal do abono salarial.

Como sacar – Para sacar o abono do PIS, o trabalhador que possuir Cartão Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir aos terminais de autoatendimento da Caixa ou a uma Casa Lotérica. Se não tiver o Cartão Cidadão, pode receber o valor em qualquer agência da Caixa, mediante apresentação de documento de identificação. Informações sobre o PIS também podem ser obtidas pelo telefone 0800-726 02 07, da Caixa.

Os servidores públicos que têm direito ao Pasep precisam verificar se houve depósito em conta. Caso isso não tenha ocorrido, devem procurar uma agência do Banco do Brasil e apresentar um documento de identificação. Mais informações sobre o Pasep podem ser obtidas pelo telefone 0800-729 00 01, do Banco do Brasil.

Ministério do Trabalho
Assessoria de Imprensa
Jivago Cavalcanti
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5449

Supervisão ASCOM
Jorn. Eliana Camejo
eliana.camejo@mte.gov.br
(61) 99213.1667

Recomendado para você: